Abra e opere seu próprio internet bank ou IP – Instituição de Pagamento

Use seu eco-sistema de fornecedores e clientes para vender o produto mais desejado no mundo a eles: seu dinheiro!

Se sua empresa possui um médio (300 ou mais) ou grande eco-sistema de fornecedores e clientes, você tem todas as características para tornar-se um Banco Digital ou IP – Instituição de Pagamentos. Com isso sua empresa terá controle sobre as operações de compra e venda, consequentemente poderá utilizar seu fluxo de caixa para financiar e alavancar mais seus clientes (vendendo muito mais) e seus fornecedores (comprando mais deles), obviamente fornecendo crédito (dinheiro) a taxas menores que as praticadas pelos grandes bancos e ganhando todo esse delta dessas operações financeiras.

A partir das normativas do BACEN – Banco Central, qualquer empresa pode vir a tornar-se uma IP – Instituição de Pagamento ou ainda um Banco Digital. 
As altíssimas taxas de juros e outras taxas cobradas pelos maiores bancos do Brasil, abriram espaço para que outras empresas preenchessem essa lacuna de oportunidades.

A wConnect viabiliza a implementação desde o início até a entrega final dessa nova empresa financeira. Desde a etapa inicial da burocracia e toda papelada, passando pela etapa de tecnologia, regras de negócio do que se espera dessa nova empresa, até o pessoal técnico operacional que irá manter funcionando essa nova empresa.

Ou seja, a wConnect entrega a IP – funcionando com todas as funcionalidades de um banco. Somente isso dentro de um eco-sistema comercial já é suficiente para obter um ROI-Return of Investment, no primeiro ano de operação.

Qualquer empresa pode se tornar uma IP – Instituição de Pagamentos, ou ainda um banco digital.

Por quê devemos pensar em montar nosso próprio banco digital ou uma IP – Instituição de Pagamento?

Vamos contextualizar o novo cenário inimaginável há dez anos atrás; montar um banco há dez anos atrás necessitava-se de uns 100 milhões de Reais em tecnologia e infraestrutura, e ainda possuir um capital e caixa para 500 milhões de movimentação; há 5 anos atrás esse investimento já caiu para uns 50 milhões de Reais em infraestrutura e tecnologia. Mas hoje com todas as novas leis publicadas pelo BACEN, e os adventos dos novos lançamentos da tecnologia e redução nos custos devidos ao ambiente cloud computing, com aproximadamente 2 milhões é possível ter um ‘banco digital” da sua própria empresa e com isso ajudar e controlar todo seu eco-sistema, fazendo com que todos ganhem. Os bancos digitais estão crescendo e ganhando cada vez mais clientes no Brasil. Eles vieram para suprir com tecnologia de ponta e eficiência um mercado que sofria e sofre com a burocracia nos grandes bancos. Por isso há muito espaço e oportunidades utilizando-se tecnologia para montar um banco digital e prosperar vendendo o produto mais desejado no mundo: dinheiro!

O que é um banco digital ou uma IP – Instituição de Pagamento ?

Um banco digital é uma instituição que não oferece atendimento presencial. Também são chamados de bancos virtuais ou bancos 100% online. Da abertura da conta bancária ao esclarecimento de dúvidas, todas as necessidades dos clientes podem ser resolvidas pelo computador ou aplicativos. Sem fila, sem burocracia e sem precisar sair de casa. São novas propostas – algumas ainda em consolidação – que estão em busca de resolver problemas como tarifas elevadas, falta de transparência, conflito de interesses, entre outros. O objetivo é ter mais agilidade no atendimento e, assim, atingir um número maior de consumidores. Os principais serviços que um banco digital oferece são: • conta-corrente digital sem tarifa; • cartão de crédito, em muitos casos sem anuidade; • investimentos; • seguros; • consórcios; • empréstimos.

Bancos digitais de grandes redes de lojas.
Aqui temos grandes oportunidades de montar um banco digital utilizando todo o eco-sistema já existente entre fornecedores e clientes e operar meio a tudo isso com taxas menores, riscos menores uma vez que o eco-sistema é da sua empresa. Aqui utilizando tecnologia temos muitas oportunidades. Não é de hoje que grandes redes de lojas já oferecem carnê, crediário e até cartão de crédito com marca própria. No entanto, algumas também estão investindo em oferecer outros serviços financeiros para seus clientes. Confira!

Coisas que você precisa saber sobre os bancos digitais e sobre as IP – Instituições de Pagamento.

1 – Ir à agência bancária não faz mais sentido Quando foi a última vez que você precisou ir a uma agência bancária para realizar um depósito, transferência ou pagamento de contas? Boa parte das pessoas que têm conta em banco utiliza o Internet Banking. Muitos também já adotaram os aplicativos em seu dia a dia. A substituição da agência bancária física pelos bancos digitais é uma tendência global. Um estudo do banco americano Goldman Sachs feito em 2015 mostrou que um terço dos jovens entre 18 e 34 anos acredita que não vai precisar de um banco nos próximos cinco anos. Metade desse grupo já vê as fintechs substituindo os bancos nos serviços mais utilizados.

2 – Banco digital é diferente de banco digitalizado Plataformas digitais e canais interativos não são suficientes para converter uma instituição financeira em banco virtual. É preciso atender a requisitos específicos e, essencialmente, oferecer um serviço que dispense totalmente a presença do cliente na agência bancária. Do contrário, pode-se considerar que trata-se apenas de um banco digitalizado e não de um banco digital. Para diferenciar os dois casos, a Febraban destaca três características principais dos bancos digitais: • processo não presencial: captura digital de documentos e informações do cliente e coleta eletrônica de assinatura; • canais de atendimento 100% eletrônicos: todas as contratações de produtos e consultas são feitas online ou por telefone; • resolução de problemas por múltiplos canais virtuais: já teve que resolver algum problema que começou com uma ligação e terminou com um e-mail ou mensagem de WhatsApp? Pois é, essa realidade é bastante comum nos bancos digitais. 

3 – Bancos digitais promovem a inclusão bancária Milhares de brasileiros ainda não têm conta em banco, nem mesmo poupança. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) esse grupo de pessoas é de aproximadamente 55 milhões de pessoas. O papel dos serviços financeiros que estão sendo desenvolvidos pelos bancos digitais é fundamental para reverter esse cenário. Com uma proposta mais prática e acessível, esses negócios podem promover a inclusão bancária, viabilizando a utilização simplificada do dinheiro, o controle dos rendimentos, a poupança e até fazer investimentos. Para os empreendimentos de alto impacto a perspectiva é igualmente vantajosa. Os desbancarizados não têm conta, mas têm dinheiro. E não é pouco! O IBGE calculou que essa população tinha renda anual de R$ 665 bilhões, o equivalente ao PIB do Chile, na época do levantamento. O Banco Digital da Maré, por exemplo, é um projeto que busca promover a inclusão no sistema financeiro da população da Comunidade da Maré, uma das maiores do Rio de Janeiro. O serviço bancário é oferecido por meio de um aplicativo que transações bancárias como pagamento de contas e transferência de valores. Apostando na tecnologia blockchain, o Banco Digital da Maré criou a moeda digital “palafita”, desenvolvida exclusivamente para uso na comunidade. Os usuários do serviço conseguem fazer compras no mercado local usando a criptomoeda.

4 – Bancos tradicionais estão investindo cada vez mais em serviços digitais Os bancos tradicionais estão investindo cada vez mais em inovação, pois já perceberam que a transformação do sistema financeiro é inevitável. A Pesquisa de Tecnologia Bancária 2018, da Febraban, revela que em 2017 o setor financeiro investiu R$ 19,5 bilhões em tecnologia. Esse valor representa um aumento de 5% em relação ao ano anterior. Um item apontado pela pesquisa foi o maior ritmo de adoção de agências digitais, com atendimentos por meio de chats, telefone, e-mail ou videoconferência. O número dessas agências triplicou em relação a 2016: são 373 agências em 2017, ante 101 no ano anterior. Com a revolução do setor financeiro, instituições bancárias convencionais estão criando seus próprios bancos digitais. Em 2017, por exemplo, o Banco do Brasil lançou o BB Digital e o Bradesco, o Next. Ambas são iniciativas que se enquadram no conceito de banco digital

5 – Bancos digitais já têm milhões de clientes O número de clientes de bancos digitais já cresceu bastante no Brasil, apesar de a novidade ser relativamente recente. Um deles é o Banco Original, criado em 2008 como Banco JBS. Em 2016, o Original lançou as operações como banco digital. Outra instituição que se destaca pelo número de clientes é o Banco Inter. Depois de atuar por 23 anos como Intermedium, mudou de nome em 2017 e lançou ações na bolsa de valores em abril de 2018, tornando-se a primeira fintech listada na bolsa de valores brasileira, a B3. A maior vantagem dos bancos digitais é a economia de tempo e de dinheiro, afinal muitos serviços já são gratuitos. Assim, você economiza na hora de usar os serviços e pode até investir seu dinheiro por meio dessas plataformas. E você? Já tem conta em algum dos bancos digitais? Deixe aqui nos comentários a sua experiência. E se quiser saber mais sobre as opções de aplicações financeiras à sua disposição, fale conosco!